AVANTE… Povo Praga!

A suposta vida sustentável nas Grandes Cidades!

O humano se tornou a maior praga desse planeta e escrevo isso com o maior desgosto do mundo! A consciência foi à única coisa que deus esqueceu-se de assoprar nas narinas do monte de barro imundo (incluindo a minha pessoa). Estamos ocupando o planeta de uma forma que em anos será irreversível. Claro, ainda existe muito verde, mas as mesmas pessoas que se dizem ambientalistas, não deixam de comprar carros e motos, não deixam de consumir alimentos industrializados, claro, vivemos em meio ao urbanismo e ele nos força a viver dessa forma… Que merda, estamos condenados e condenando o futuro de todos os seres vivos!

 

Para ajudar a visualizar essa idéia, vou transcrever duas perguntas da revistas URBS feita para o arquiteto Joaquim Guedes:

 

Urbs: Esta preocupação com a sustentabilidade foi tardia?

 

Guedes: Não se trata disso. De que antes não nos preocupávamos com a natureza e agora o fazemos. É preciso entender que vivemos de consumir a natureza e não de preservá-la. A sobrevivência da sociedade foi possível consumindo a Europa, parte da América, a Ásia, a África. E hoje estamos nesse impasse. Em entrevista à TV Cultura, Antônio Aires disse que 4% da população do mundo consome 40% da energia mundial. É claro que os 60% não serão s8uficientes para que os outros 96% da população possam ter uma vida minimamente civilizada. Isso dá uma idéia de problema que temos pela frente.

 

Urbs: A idéia de Sustentabilidade está equivocada?

 

Guedes: Sim, sustentabilidade não é preservar a natureza, muito menos transformar as criancinhas em “sensíveis amantes da natureza” para salvar a humanidade. O problema está no consumo delirante de energia nas sociedades mais avançadas e ricas. Elas vão ter que parar com isso. Temos que inverter esse processo, parar de falar em sustentabilidade com frases feitas e pensar em como a arquitetura vai dar solução para a continuidade do homem no planeta, com um consumo adequado das nossas reservas e redistribuição das reservas de forma a conciliar desejos conflitantes.

 

Matéria publicada em dezembro de 2007, pela revista URBS.

 

Bem vindo ao inicio do fim… Que vai se permear por décadas, décadas difíceis, infelizmente!

 

 

JBS

Anúncios

Deixe um comentário

Nenhum comentário ainda.

Comments RSS TrackBack Identifier URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s